A Olea europaea, ou oliveira, faz parte da paisagem mediterrânica há milénios, sendo inconfundível a forma atarracada desta árvore perene, tendo-se tornado um símbolo da vegetação mediterrânica. Além disso, talvez nada se identifique mais com o conceito de dieta mediterrânea do que o esmagamento da sua fruta, obtendo-se o azeite. Este produto está tão enraizado na cultura da região, que as indicações arqueológicas mostram que seu uso já era comum na antiga cozinha grega e romana, com evidências da sua produção na ilha de Creta, datando de 4000 a.C.

Hoje em dia, embora mantendo maior relevância no sistema alimentar mediterrânico, o azeite transcendeu os limites da região tornando-se num produto de elevado valor para todo o planeta. Isto é evidente pela extensão mundial das áreas destinadas ao cultivo da azeitona, que como cultura fruteira, a sua expansão perde apenas para as palmeiras (obtenção de óleo de palma) e coqueiros (obtenção de óleo de coco). No entanto, os dez maiores países produtores de azeite estão localizados na região do Mediterrâneo, produzindo cerca de 95% das azeitonas do mundo. A particularidade do clima e o tipo de solo fazem com que a zona mediterrânica seja propícia ao cultivo de oliveiras, devido ao seu clima quente, com elevada exposição solar e solos leves e calcários. Identificam-se em particular, as áreas costeiras da Espanha, Grécia e Itália, sendo estes os países mais característicos da dieta mediterrânea e, não por acaso, juntamente com a Turquia, os maiores produtores de azeite.

Preservar a União Europeia como líder mundial da produção de azeite é de grande importância, quer económica quer cultural, mas manter esta liderança poderá ser uma tarefa difícil num futuro próximo, devido aos efeitos das alterações climáticas e, consequentemente, da propagação de pragas como a mosca da azeitona, Bactrocera oleae. Esta praga é, para a maioria das áreas produtoras de Olea europaea, considerada uma grande ameaça biótica para as culturas.

Para enfrentar os desafios, o MED-GOLD fornecerá um serviço climático que prevê os efeitos das alterações climáticas, podendo também prever a influência da praga e a produção de azeitonas em futuras campanhas. Além disso, as ferramentas desenvolvidas apoiarão as tomadas de decisão e decisões estratégicas a longo prazo, possibilitando o aumento de produtividade e aumento da qualidade obtida.

Perguntas que MED-GOLD abordará

Previsão sazonal

Previsão a longo prazo (projeções das alterações climáticas)